quinta-feira, 22 de setembro de 2011

Azarados de muita sorte!


Imagem do Google

            Você conhece alguém que teve muita sorte no meio de um enorme azar?
            Pois eu tenho a honra! Conheço três pessoas de uma só vez e que são uns sortudos (por assim dizer), no meio de grande azar.
Algo assim como “seria cômico se não fosse trágico”, e/ou vice-versa.
            Contraditório?
Certamente, mas vou demonstrar através de três casos absolutamente verídicos sobre pessoas que conheço pessoalmente.
O texto que se segue não é uma apologia ao humor negro nem falta de respeito com a desgraça alheia, mas simples descrição dos fatos, a bem do entretenimento geral, considerando que todos estão vivos e bem.           
Cito primeiramente o caso de um amigo, que teve o azar de ter uma doença crônica nos rins e que, portanto faz hemodiálise periodicamente. Sei que não há nada de engraçado nisso, mas ele enfartar durante a hemodiálise foi muita sorte. Pelo menos foi o que disse a esposa. Afinal ele já estava no hospital e pôde ser atendido prontamente o que lhe "ajudou" muito.
Não curou seus rins, e ainda vai ter que cuidar do "core" e, sorte mesmo, seria se não tivesse doença nenhuma. Mas o fato é que se não fosse doente e não estivesse no hospital, não teria sobrevivido ao enfarto quase fulminante, que também não sei se teria sofrido se fosse totalmente saudável. Isso sempre me confunde...
            Tem ainda minha colega de trabalho, que saiu cedinho com o marido para fazer trilha de bicicleta num domingão ensolarado.
Dia bonito e ambos paramentados para aproveitar o passeio de “bike”. Pois não é que ela despencou de um barranco enorme e caiu sobre uma pista de alta velocidade? Ficou estendida e toda desconjuntada, e o marido lá em cima sem poder ajudar.
Mas para sua sorte quem passava?
Dois indivíduos da Corporação de Extinção de Incêndios (mais conhecidos por aqui como Corpo de Bombeiros), que estavam se dirigindo ao trabalho, em baixa velocidade a tempo de parar antes de atropelar a moça. Mais sorte ainda é que carregavam equipamentos de resgate e tinham conhecimentos de paramédicos treinados, o que salvou com certeza a coluna vertebral e provavelmente a vida da moça, apesar da gravidade do acidente.
Sorte ou não?
Tá bom! Vão falar que mais sorte teria sido se ela não caísse, mas já que aconteceu, foi uma sorte terem aparecido os caras.
            Mas o "hors concours" do meu julgamento particular de “Azarado Sortudo da Década” é mesmo um músico que conheci recentemente e que foi o "muso" inspirador deste texto.
O rapaz, numa dessas madrugadas, foi assaltado ao voltar para casa. E resolveu “encarar” o bandido. Por conta dessa atitude no mínimo insana, levou um tiro.
Grande azar!
A bala alojou-se na cabeça e apesar de causar lesão irreversível num dos olhos e num dos ouvidos, o rapaz sobreviveu e continua tocando, para nosso deleite!
Entretanto, ele não é nosso campeão por acaso.
Sua sorte azarada alcança as raias do inacreditável, pois em outra noite - já que não escuta nem enxerga tão bem em consequência do incidente anterior, conseguiu ser atropelado ao atravessar uma avenida mal iluminada. E o pior, por uma ambulância, que inexplicavelmente fugiu e não lhe prestou socorro.
            Pessoalmente, eu acho que isso é um azar absurdo, mas todo mundo achou que ele teve a maior sorte, pois nenhum carro passou sobre ele, que ficou estendido na pista escura por algum tempo, até que alguém prestasse socorro.
            Não foi uma sorte que não tivesse sido atropelado mais de uma vez ? Perguntam.
            Eu não tenho certeza...

      

10 comentários:

Eraldo Paulino disse...

rsrs...

um dia te conto umas histórias minhas, querida. São inacreditáveis também rsr. Só não dá pra contar assim em público.

Me diverti muito lendo.

Bjs!

MIRZE disse...

Existe mesmo este tipo de sorte no azar e azar na sorte.

Acho que as pessoas já nascem com o dom de atrair azar ou sorte. Minha caçula, às vezes se desespera e tenta me deixar, Aí lembro que ela nasceu com sorte, SEMPRE TUDO ACABA BEM. Já a mais velha, é daquelas que quando passa manteiga no pão ele cai no chão com a manteiga para baixo. nunca deu sorte com namorados etc e morro de medo quando la sai.

Claro que com as duas já aconteceram azar dentro da sorte e vice-versa.

AMEI, ROSS!

Beijos

Mirze

Dilberto L. Rosa disse...

Mais que claro humor negro, minha cronista Rossana (desconhecia este teu "lado"): geniais inversões de valores diante do inusitado da vida! Muito bacanas as construções narrativas e, mais ainda, os exemplos dados!

Meu abraço saudoso (como estás bonita nestas fotos em P&B com cabelos novos!)! Lembranças para o Chiquinho (não foi ele o músico azarado-sortudo, né?! Rs)!

Por que você faz poema? disse...

A grande dualidade da vida,
há sempre outro lado,
mesmo que nao possamos encontrar.

Cris de Souza disse...

Que sorte poder ler você!

Um beijo, rou rou.

Ane Patrícia de Mira disse...

Encontrei seu endereço por acasso, pode também ter sido sorte.

Parabéns pelo blog.

Ane

✿ chica disse...

Adorei tua crônica e que sorte(?) ,rrs beijos,tudo de bom,chica

Retratos da alma disse...

Lendo uma crônica do Fabricio acabei batendo aqui no puro acaso. Bem... aqui não tenho a menor dúvida! Foi sorte!

Paulo Ednilson.

Aparece lá no Retratos da alma!

Flavio Ferrari disse...

A sorte da Rossana
mais parece
coisa de Pollyanna

Mirian disse...

meu bem, adoooorei
sorte mesmo é ter nascido...
mil bjsss