quinta-feira, 8 de janeiro de 2015

Da fé...



Era uma tarde modorrenta de sábado. Chovia copiosamente...
Grande coisa! Mas numa casa na praia, longe da cidade, sem nada para fazer, sem internet ou sinal de telefone, só tínhamos uma televisão de poucos canais abertos. 
Essa pequena introdução é para justificar o que estava assistindo: Programa do Raul Gil!
Tudo bem, gente! Sei que não é lá muito legal, mas tem quem goste e assista. Decididamente não é o meu caso, mas respeito quem gosta.
Só que nesse dia sem opções era o que tínhamos. Passava o “quadro” de tirar o chapéu.  Explico: Uma “celebridade” é convidada para ler alguns nomes dentro de vários chapéus e decide se “tira” ou não o chapéu pra algumas pessoas ou situações conforme seu gosto.
 A minha desculpa é que o convidado era Fabio Porchat, com toda sua sagacidade, o que torna a coisa menos degradante, considerando que ele é um dos nomes mais conceituados da nova geração de humoristas.  
Durante o quadro, ele não tirou o chapéu para certa pessoa na qual Raul Gil fez grande estardalhaço que delongou em vários minutos de enrolação, suspense barato e alguns minutos de comerciais.
Pois é, por isso que dizem por aí que o ócio é oficina do diabo.
Devia ter pegado um livro ou meu violão, saído para tomar uma enxurrada com raios e trovões, qualquer coisa mais fecunda, mas confesso que fiquei firme por lá, esperando. Para piorar minha situação vergonhosa, eu confesso que estava ansiosa para saber quem era o fulano, como se isso fosse mudar alguma vírgula na minha vida.
Sabem para quem o Fabio não tirou o chapéu? Para o Datena! 
Certamente isso agrava ainda mais minha confiabilidade entre vocês leitores, se é que existe algum, certo?
Em seguida vieram as explicações de Fábio, justificando que o tal Datena criticou um facínora desqualificado xingando o de “ateu”, afirmando que a criatura só era bandido porque não acreditava em Deus.
Fábio explicou que além de ser totalmente contra o preconceito religioso, acredita que ateus e agnósticos também devam receber o mesmo respeito e que qualquer coisa diferente disso é preconceito. Não é porque uma pessoa não acredita em Deus que é bandido, no que concordo plenamente. “Ateu” não é xingamento!
É evidente que uma criatura temente a Deus há de pensar algumas vezes antes de cometer uma atrocidade, porque quando ela crê firmemente, sabe que isso terá consequências futuras, além da vida ou nessa mesma, dependendo de sua religião.
Entretanto o contrário não é recíproco, pois o fato de uma pessoa não crer em Deus, não faz dela uma pessoa má ou diferente dos outros, muito menos um facínora assassino.
Tudo isso que descrevi aí em cima serve apenas para eu poder falar de mim, acreditam? É que eu sou mesmo meu único assunto.
Eu sou cristã, e tenho tanta fé em Deus e Jesus Cristo, que me recuso a institucionalizar minha crença e submetê-la a qualquer religião. Não gosto das religiões que em sua história vêm sempre acompanhadas de guerra, destruição, poder e vaidade. Tudo em nome de um Deus, Allah, Adonay, Jeová, ou seja lá que nome receba...
Recuso-me a ser rotulada. Confesso certa afinidade com o silogismo científico da doutrina espírita. Sua racionalidade e ausência de dogmas me conforta. Sinto-me esclarecida e gosto dessa fé raciocinada.
Respeito todas as crenças, inclusive a ausência delas, menos os grupos fanáticos de terroristas que matam usando a “fé” para cometer atrocidades.
É que para mim, quando tudo o mais falha, quando me encontro em pleno esmorecimento e já não tenho mais a quem recorrer, eu fecho os olhos e oro ou rezo; como quiserem.
Fervorosamente.
O ato da oração já labora em meu favor me acalmando, e isso já é meio caminho andado para a solução dos meus perrengues, que de uma forma ou de outra sempre acabam resolvidos.
Mérito de minha oração? De minha fé? Do acaso?
Na minha fragilidade emocional, Deus é meu esteio e Jesus é um exemplo.
Eu me compadeço de quem não tem fé, não por ser um tiquinho sequer melhor ou pior que eles, mas por que o fato de eu ter esperança e convicção de que posso ser ouvida e atendida em meus anseios por uma força maior e divina, me traz um sentimento reconfortante que quem não tem fé não sente.
A minha “ingenuidade” me salva da loucura de não crer.
Aliás, a definição que mais me identifico no dicionário acerca da fé é a seguinte: Estado ou atitude de quem acredita ou tem esperança em algo. 
Confiança e esperança. É nisso que resume a fé..
Ateus e agnósticos dizem não ter essa chama dentro de si. Muitos até expõem que gostariam de crer, pois seria mais fácil viver com fé, mas alegam que fé não se prescreve como se fosse um remédio e que, portanto não são culpados de não crerem.
De fato não é possível enfiar a fé dentro da mente ou coração de alguém, mas ninguém está impedido de possuí-la, mesmo os mais refratários, já que este é um sentimento inato nos seres humanos desde os primórdios da raça, mas que se deve fazer crescer através da vontade ativa.
“A fé é a consciência das prodigiosas faculdades que traz em germe no íntimo, a princípio em estado latente.” (*)
E realmente ajuda muito crer em alguma coisa maior.
Não oro só para pedir. Alegro-me e agradeço à Deus quando abro minha janela para o dia que começa, quando vejo uma flor brotando no meu jardim ou ouço o canto de um passarinho, quando passeio no mato, quando molho os pés num ribeirão barrento, entro numa cachoeira, ouço o farfalhar das folhas no campo, quando vejo o mar...
Eu oro para a gradecer a beleza da criação e de estar viva.
Eu oro por amigos e parentes saudáveis e adoentados. Eu oro por qualquer motivo. 
Para pedir, para agradecer, para simplesmente conversar com o universo. Agradeço a Deus até por esse sábado chuvoso e pelo programa do Raul Gil, que me rendeu esse texto.
Além disso, o melhor de tudo que minha fé traz, é a certeza de que toda a maldade, improbidade e/ou atrocidade que aqui se comete, não ficará impune diante da justiça divina, ainda que por aqui, por hora, fique sem castigo.

(*) Evangelho segundo o Espiritismo - Allan Kardec

2 comentários:

Anttônio Oliveira disse...

Li com certo atraso este texto, mas assino o que, brilhantemente, explanou: a religião não define ninguém, mas a religião, quando bem vivida, fez e faz o mundo melhor. Irão ignorar alguns (ateus,por ex.), mas toda s sociedade ocidental foi construida numa base cristã/judaica. A igreja católica foi responsável pela criação das primeiras universidades na Europa e tudo que serviu aos primeiros estudos científicos da era moderna. Durante as grandes guerras foi quem preservou livros e bibliotecas. E quando errou, se redimiu... O ateísmo existe, porque do outro lado Deus tbm existe. O ateísmo veio depois da existencia de Deus.

NDORETTO disse...

Maravilhosa a sua crônica!
Eu oro por tudo!
Lindo,lindo!!!!
Vou postar fragmentos dela....