sábado, 30 de março de 2013

Está demitida!



- Sinto muito Joelma, mas não será possível continuar com você.
- Como assim Dª Rossana?
- É que eu estou com um tremendo 'problemão' sabe? Vai mudar a legislação das empregadas domésticas por conta de uma tal Emenda Constitucional e vai ficar muito complicado manter você conosco.
- Por quê? Eu já estou aqui há três anos... Já sei, foi porque eu quebrei a sopeira de porcelana, e não deu para emendar, né?
- Não Jô, apesar do baita prejuízo, eu entendi que foi um acidente. Isso são águas passadas.
- Então o que foi que eu fiz dessa vez?
- Não foi você que fez querida. Lembra que você viaja toda sexta à noite para passar o fim de semana com sua família em Piracaia?
- Claro, né Dª Rossana? Eu faço isso há três anos, ora.
- Pois é, mas não pode mais.
- Por quê?
- Porque pela nova Lei, você tem que trabalhar aos sábados.
- Mas a Senhora disse que não precisa de mim no sábado...
- Mas a nova Lei disse que eu tenho que precisar. Ah... E você não pode mais morar aqui em casa também, senão eu vou ter que pagar hora extra.
- Mas daí, onde eu vou morar?
- Ué, Joelma, você vai ter que arrumar outro tipo de emprego e com seu salário, alugar um quartinho.
- Mas daí eu vou tenho que pagar aluguel, água luz... Aqui eu não pago nada. O que vai sobrar para eu mandar para minha família em Piracaia?
- Talvez você tenha que voltar para sua cidade e morar com eles.
- Tá brincando! Eu não quero morar lá. Eu sou feliz aqui com a senhora, ‘Seu’ Chico, a menina...
- Pois é, mas não adianta se desesperar. A coisa vai ficar tão feia que se eu precisar que você atenda um telefone depois do seu horário, vou ter que pagar hora extra e adicional por trabalho noturno. Com a nova lei também vou ter que começar a pagar o FGTS que antes era opcional.
- O efe o quê Dª Rossana?
- Fundo de Garantia, Joelma! Eu já pago doze por cento do INSS, décimo terceiro, férias acrescida do terço constitucional, dou descanso semanal remunerado e descansos nos feriados, mas, além disso, eu agora tenho que depositar mais oito por cento além do seu salário para o Fundo de garantia. Não dá para mim!
- Num precisa pagar Fundo nenhum não Dª Rossana! Eu não ligo pra essas besterinhas...
- Também vou ter que pagar salário família e auxílio creche.
- Creche? Nem tenho filhos...
- Vai que arruma... E tem mais, sabe aquela horinha do almoço que eu chego do trabalho correndo e preciso conversar com você enquanto eu como, para organizarmos as tarefas que não dá tempo de falar de manhã?
- Então não sei? A hora do almoço é uma correria só.
- Pois nesse horário especificamente, você vai ‘ter que estar’ no seu horário de almoço, se a emenda virar lei. Se eu falar com você eu vou ter que pagar hora extra porque é sua hora de folga obrigatória.
- Então eu vou ter que almoçar na mesma hora que a senhora, mesmo sem ter fome? A senhora sabe que eu faço uma ‘boquinha’ lá pelas dez...
- Ô se sei, Joelma. Uma “bocona” para sermos mais sinceras.
- Credo Dª Rossana, a senhora nunca foi de regular...
- É que às vezes você exagera né Jô? Come um pão inteiro no meio da manhã com meu queijinho especial, pegas minhas comidinhas de dieta...
- É que eu prefiro, sabe? A comida da senhora é gostosa e engorda menos, mas se a Senhora não gosta, eu como o pão com queijo branco e manteiga mesmo.
- Só rindo... Vou sentir sua falta, minha amiga, mas o fato é que como eu não vou poder arcar com todas essas mudanças, então, não posso manter você aqui conosco. Estou tão chateada quanto você.
- Mas quem foi a ‘bruaca’ que inventou essa tal de emenda? Se eu encontro na rua ela vai ter que emendar a própria cara...
- Não fale assim, Joelma. Ela é uma Senadora da República. Parece que ela até já foi empregada doméstica e deve ter boas intenções. Parece que tais mudanças caracterizam uma conquista da categoria.
- Que categoria o quê! Eu não ‘tô’ conquistando ‘nadica’ de nada, ué... Só perdendo. Além de perder a casa onde eu trabalho, moro, durmo e como de graça; tenho meu quartinho gostoso com minha própria televisão; não pago água nem luz e tenho folga aos sábados e domingos; perco o emprego?
- É que ninguém fez uma lei para melhorar o salário das patroas, Joelma...
- E como a senhora vai fazer nessa casa desse tamanho sem empregada?
- Não sei bem. Acho que vou pedir marmita e contratar uma diarista duas vezes por semana. No resto da semana fica a bagunça mesmo...
- Mas eu não queria ir embora, Dª Rossana... Eu fico aqui até de graça, desde que a senhora me deixe continuar morando no meu quartinho. Não precisa nem me pagar nada. Eu assino qualquer papel que a senhora quiser
- Daí eu seria presa por explorar trabalho escravo, criatura.
Silêncio...
- E corre para arrumar suas coisas, pois você tem que sair dessa casa logo, antes que a tal da Emenda vire Lei e entre em vigor, senão, além de todos os benefícios e aviso prévio que são de praxe, eu vou ter que pagar uma multa por despedi-la sem justa causa, apesar de eu achar que essa tal emenda é causa mais que justa.
.
.

5 comentários:

Mirian Lamy disse...

Observações não observadas pela emenda eleitoreira..quem ganha?

Anttônio Oliveira disse...

Rossana, no ponto! Estava pensando nisso qdo surgiu a tal lei. Como sempre, neste país, os "inteligentinhos" tentam melhorar e só pioram. Como disse uma pessoa outro dia no FB "Só esqueceram de melhorar o salário das patroas". O que vai ocorrer? Menos (muito menos) pessoas irão contratar tal profissional. Ou, acabou a relação, a intimidade e acordos entre patroa e empregada. Acabaram com a profissão.

Anttônio Oliveira disse...

Ah! Leia o texto do Antonio Prata hoje na Folha (caderno Cotidiano). Vai gostar. Abraços!

Anônimo disse...

Espero que a sua Joelma não seja a da banda Calypso! Ótimo texto!
Agora, me perdoe, pois tenho que ir demitir a Fátima! Prima Paula do Paulo!

Raul de Sá Freire Neto disse...

Precisa continuar com a Prosa, "Faga".