quarta-feira, 2 de janeiro de 2013

Muito Lóca




Eu tenho uma amiga muito especial.
Apesar de sarcástica e notadamente perversa, incoerentemente é uma ótima e querida amiga.
Na impossibilidade de citar-lhe o nome verdadeiro, vou chamá-la de Lóca, alcunha que lhe presenteei para não chamá-la acintosamente de “louca”, que é o que penso que ela seja. Surpreendentemente ela gostou.
Deixo claro, que Lóca não é uma personagem criada por mim, tampouco é meu alter ego.
É uma mulher de carne e osso e uma boca mais que faladeira.
Lóca é muito, muito incorreta, para ser o mais delicada possível, em todas as vertentes imagináveis do comportamento social humano.
Ela seria execrável para mim, se eu não a amasse tanto.
Na verdade, a despeito da amá-la, ela é execrável mesmo assim.
Acho que ela seria pior se não fosse tão divertida. Tendência ao deboche é um ótimo atributo em casos assim.
No caso da Lóca, com sua carência de predicados, é o que a salva. Aliás, faz dela uma pessoa até interessante.
Ainda não achei uma boa explicação para gostar tanto dela. A gente definitivamente não manda no coração.
Então eu a aceito como ela é, pois já desisti de tentar trazer um pouco de bom senso a esse protótipo de vilã de novela.
Lóca é especialista em frases terríveis e consegue cometer todos os preconceitos e desconstruir todas as considerações elaboradas conforme a ética e a moral humana.
Também, nunca sei quando ela está falando sério.
Só para começar a expor uma leve nuance de sua “meiga” personalidade, ela odeia animais.
Não é bem que odeia de querer fazer maldades. Só detesta e acha que animais deveriam viver bem longe dela.
Pelo bem deles, eu também acho...
Ela não maltrata, mas se pudesse levaria todos “de volta à floresta de onde nunca deveriam ter saído, principalmente os cachorrinhos chatinhos e gatinhos fofinhos”.
Explico pacientemente que cachorros e gatos não são animais silvestres nem selvagens. São animais domesticados pelo homem e que têm que conviver e morar com eles.
Ela se irrita: - Lugar de bicho não é dentro de casa! Odeio esse povo ”cachorrento”, que deixa o bicho subir na cama, sentar no sofá e a gente tem que fingir que não se importa. Tenha dó! O bicho nem usa papel higiênico. Que nojo...
Pensando bem...
Quando dirige, todas as aberrações cometidas no trânsito não chegam nem perto das atrocidades cometidas pela sua língua ferina.
Implacável! Fala direto e em alto e bom tom na cara do provável culpado.
Morro de vergonha e evito pegar carona com ela para me poupar de tantos constrangimentos, e sinto certo temor pela sua segurança, ou na melhor das hipóteses temo que ela seja presa por racismo, constrangimento público, danos emocionais, o que é melhor que uns sopapos...
- Ô navalha! Só podia ser velho e decrépito!
– Olha lá, homens de chapéu dirigem que nem caipira. Vai dirigir carro de boi, imbecil!
- Não aprendeu a dar seta, loira burra?
- Abre o olho japonês! Não está me vendo não?
- Eu sabia! Só podia ser preto!
- Eu sabia! Só podia ser mulher! (como se ela não fosse uma).
- Cuidado aí seu “viadinho”!!!
- Abaixa o som, seus “funkeiros” do c... !!!!
- Sai da frente, sua gorda! (Ela também é.)
Ai ai ai meu deusinho do céu!!!  Quero ficar invisível!
Mas espere! Não acabou ainda!
        Não satisfeita com todos esses “atributos” que lhe pesam contra, ela ainda é fumante e totalmente revoltada com as proibições legais de se fumar em lugares fechados ou públicos.
 - Que saco ter que sair de um lugar só para fumar um cigarrinho de nada. Coisa mais ridícula! Fumaça de carro e de chaminés faz muito mais estrago que esse meu modesto cigarrinho.
Diga-se de passagem, que o modesto não é um só. São dezenas por dia.
Também é contra a lei seca e diz sem nenhuma consternação que dirige muito melhor quando está “meio bêbada”: - Fico mais solta, sabe? Minha destreza só melhora.
Só ela acha...
Mas seu pior defeito, se é que é possível algo pior, é sua birra com as vagas de estacionamento para deficientes e idosos. Não acha lógica de jeito nenhum.
- Tem tanta vaga de idosos e deficientes nos shoppings e supermercados que não sobra mais vaga para a gente parar o carro. Isso já virou abuso de autoridade.
E não adianta argumentar com ela e tentar chamá-la à razão. Não tem conversa.
- É lei desses deputadinhos que não tem o que fazer e inventam moda para ficarem populares e a gente que se ferra. Se todos os deficientes e idosos “esperados” vierem ao shopping de uma vez, não haverá lugar para gente normal.
Normal! Ela disse “gente normal”. Minha Nossa Senhora dos Perdões!
Não contente com tantos absurdos ainda complementa: - Deviam fazer shoppings separados para velhos e deficientes e outros para nós (os normais?)... Pelo menos evitaríamos esses inconvenientes.
Sincera ela é, não resta dúvida. Corajosa também. E totalmente sem noção...
Eu me sinto sempre chegando ao ponto de quase desastre, que está sempre iminente em se tratando dela.
Só não acontece o pior, por que acho que as pessoas sublimam ao perceber que provavelmente ela não “bate bem da cachola”, coisa que ela se aproveita para falar o que bem entende.
Sua última “pérola” ela confessou no réveillon. - Nosso Prefeito (da cidade onde ela mora) vai assumir amanhã. Nosso não, do bando de nordestinos, e acho melhor eu me calar porque atualmente não se tem mais liberdade de expressão. Ninguém mais pode falar o que pensa! Rá!
O pior, é que eu sei bem o que ela pensa.
O melhor, é que parece que ela está criando algum juízo.

5 comentários:

Mirian Lamy disse...

Fiquei curiosa...
Ótima crônica...bjs

Claudio Ferigoli disse...

Dei muita risada Ro... ótimo texto...

Mateus Medina disse...

Da parte dos animais partilho quase inteiramente o sentimento...

Agora fiquei SUPER curioso de conhecer essa "peça". Uma das personagens de um dos livros que estou escrevendo no momento é "a cara dela". Achei que estava exagerando, mas afinal, "elas existem" rsrsrs

bjos

Toninho disse...

Rossana que cronica linda e bem humorada com um olhar fantastico sobre o cotidiano aos olhos de Lóca.Penso que temos muito de Lóca,talvez ela seja uma desta malucas belezas, que vemos por aí.
Parabens menina, penso que o pai se infla de orgulho em ver um belo trabalho da filha.
Já coloquei nos meus favoritos,não tinha atinado plor este espaço.
Meu terno abraço amiga.
Bjo.

Primeira Pessoa disse...

rossana em verso.
e em prosa.

beijão,
r.